segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

PENROSE PARK, UM LUGAR DE FÉ

Shrine Of Our Lay Of Mercy
O primeiro domingo de Dezembro marca o encontro da fé. Fé portuguesa, essa fé que nos acompanha mundo fora, que nos dá alento e coragem para seguirmos caminho e nunca esquecer-mos Portugal. Todos os anos há festa para os lados de Berrima. Cedinho e pela fresca, juntámo-nos em Marrickville. O autocarro fretado encheu-se de peregrinos prontos para mais uma homenagem à Nª Sª de Fátima e para a festa dos 16 anos da Capelinha. E nós, juntámo-nos ao grupo pela primeira vez.

130 km separam Sydney de Berrima. A estrada é recta como a escrita de Deus e a paisagem campestre e monótona contrasta com uma Sydney cosmopolita e barulhenta. É um passeio que se faz bem e tão bem nos faz. Hora e meia depois, entre cantares e boa disposição, entrámos em Shrine of Our Lady of Mercy.

Shrine of Our Lady of Mercy
Foi o sonho do Frei Augustine Lazur em edificar um Santuário a Maria e propagar assim a fé cristã nestas terras longínquas que, em 1984, fez nascer o Santuário dedicado a Our Lady Of Mercy, representado por uma réplica do ícon de Our Lady of Jasna Góra, igualmente conhecida por Black Madonna. Habita actualmente o Mosteiro a Ordem de São Paulo - o Primeiro Eremita que em 1382 conseguiu a custodia da imagem milagrosa de Our Lady, Black Madonna, pintada pelo Evangelista St Luke.     

Quem passa ao largo não imagina o que se esconde por detrás do bosque australiano. 44 capelas construídas pelas mais variadas comunidades étnicas fazem daquele recanto um oásis espiritual. São mais de 30 países que com a sua devoção tornaram aquele espaço imenso num local único de fé, paz e reconciliação.

Capelinhas de vários países
Mais Capelinhas de outros paises
E a nossa Capela, obra da Comunidade Portuguesa e do Sr Manuel Tavares.

Capela de Nª Sª de Fátima, construída pela Comunidade Portuguesa
À nossa chegada, já os frangos assavam pulverizando o ar com aquele aroma de churrasco que só os tugas sabem fazer! A tenda albergava as mesas para o repasto e cá fora o reencontro daqueles que abraçam a mesma fé. Sem tempo a perder encaminhámo-nos para a igreja. A Missa celebrada pelo Padre Gabriel foi dedicada à nossa comunidade e o Andor de Nossa Senhora, maravilhosamente enfeitado, aguardava a procissão mais tarde.
Altar da Igreja Mãe
Depois da Missa seguiu-se o almoço bem servido, com gostinho português que fez as nossas delícias e a dos senhores Padres, que como todos sabem, perdem-se por um bom manjar! Frango de churrasco, leitão assado, camarão cozido, salada, pudim de ovos e tarte de amêndoa. Tão Bom! Convidadas também se fizeram as moscas, mas todos somos criaturas de Deus! 

Padres da Ordem de São Paulo - 1º Eremita
Ora merenda comida, música maestro! Assistimos à actuação de 3 grupos folclóricos: Grupo Folclórico Cultural Português, Rancho Grupo Folclórico da Madeira e Grupo Folclórico Assim é Portugal. A música foi da responsabilidade de Mr Tocafina. E que alegre foi esta tarde. Também houve umas palavrinhas...

Discurso à Comunidade do Cônsul Geral de Portugal
Grupo Folclórico Cultural Português
Rancho Grupo Folclórico da Madeira
Grupo Folclórico Assim é Portugal
Mas o programa impunha-se e a grande razão da festa não poderia ser esquecida. Juntou-se o povo e iniciámos a procissão atrás do Andor de Nª Sª de Fátima até à sua Capelinha. De Rosário na mão proclamámos a nossa fé num curto trajecto, num silêncio necessário e numa paz precisa. É comovente a devoção.

Capela de Nª Sª de Fátima
Procissão
Homenagem à Nª Sª de Fátima
Depois da benção e para descanso da alma e das pernas, uma boleia no carrinho de golfe, propriedade dos Padres.



Antes da partida tempo houve para irmos espreitar os cangurus. Sim, no mesmo carrinho de golfe e aproveitando a amabilidade do Sr Padre, lá fomos. E que perto estavam de nós! Estes são esquivos mas vimo-los como ainda não tinha sido possível: em grupo, em família e com os filhotes dentro e fora das bolsas. Também eles escolheram Penrose Park para viverem em paz. 
Cangurus de Penrose Park
Mas toda esta festa só é possível porque há portugueses que abraçam causas sem olharem a meios. O casal Tavares, D. Helena e Sr. Manuel são porventura o casal mais altruísta que até hoje conheci por estas paragens. Esta festa faz-se porque há quem ajude financeiramente com alimentos, flores etc. Há quem subsidie em nome desta causa, mas o trabalho de bastidores e de organização é deste casal maravilhoso. E preocupa-me não haver sucessores...
Sr. Cônsul e o Sr Manuel Tavares
Mais uns dedos de conversa e a promessa do regresso no próximo ano. Cansados mas gratos iniciámos a viagem de regresso a Sydney com vozes menos afinadas mas com o mesmo amor e devoção à Nª Sª de Fátima. 

Festa portuguesa

CSD